Notícias

Notícias

Alta dos insumos pressiona reajuste no preço dos ovos

09/10/2020

Consumidos como uma alternativa mais barata às demais proteínas animais (como carne bovina, suína e de aves), os ovos podem ficar mais caros para a população. A alta dos grãos usados na alimentação dos frangos e outros itens, como as embalagens, estão reduzindo as margens de lucros dos produtores, que pressionam por aumento do produto, a fim evitar que suas operações fiquem no vermelho.

Um relatório divulgado pela Associação Gaúcha da Avicultura (Asgav) no final de setembro aponta que, em 12 meses, os preços dos principais itens da alimentação das aves, milho e farelo de soja, tiveram elevações no mercado interno de 65,5% e 68,9%, respectivamente. Já os ovos, no mesmo período, sofreram reajuste de apenas 24,1% - quase o mesmo do frango (24,2%). Em comparação, houve aumento de 61,5% na carne bovina e 82,1% na suína.

O presidente da Asgav, José Eduardo dos Santos, lembra que, tradicionalmente, os ovos não têm muito espaço para reajuste, uma vez que precisam se manter competitivos na concorrência com as carnes. “Eles são o substituto para quem não consegue comprar outra proteína animal. Então não podemos repassar demais valores de alta por que senão uma grande parte da população não tem outra alternativa de consumo”, afirma.

“Está difícil manter uma atividade em que a ração é 70% do custo sem fazer algum tipo de equilíbrio”, destaca Santos. Atualmente, segundo o dirigente, os produtores recebem em média R$ 4,00 pela dúzia. Segundo o presidente da Asgav, o preço ideal para manter a lucratividade da operação seria em torno de R$ 6,00. “Os produtores vêm reajustando a produção para não ter prejuízos. No entanto, temos vários casos que já estão operando no vermelho”, destaca.

Essa é a preocupação de Carlos Germano Rieth, proprietário da Granja Cageri, de Lajeado, que produz cerca de 400 mil unidades por dia. “O preço do ovo está muito baixo para o produtor pelos custos que temos. Hoje, estamos trabalhando em prejuízo”, lamenta o empresário.

Além dos insumos para alimentação das aves, Rieth lembra outros itens também tiveram elevação, como as embalagens para os ovos. “Elas estão cerca de 20% mais caras do que em 2019. E são produtos descartáveis, que temos que adquirir em grande quantidade”, afirma. “Se incluir outros itens, como vitaminas, que também aumentaram, e transporte, não tem como o produtor ganhar com esses preços que recebe”, comenta o empresário.

Segundo Rieth, para manter a produção viável, o preço precisará aumentar. “O nosso custo não vai baixar, os insumos devem seguir altos em 2021, e assim nosso capital de giro vai acabando. Sem reajuste, vamos ter desistência de produtores na atividade”, alerta.

João Carlos Müller, diretor da Naturovos, maior produtora de ovos do Rio Grande do Sul, também acredita que haverá repasse de reajustes aos consumidores. Segundo o dirigente da empresa, que produz 55 milhões de ovos por mês e é a maior exportadora de ovos industrializados no Brasil, a alta das commodities e a valorização do dólar frente ao real estão pressionando fortemente os custos.

“Como o dólar subiu muito, nossos gastos também cresceram. E os custos não vão voltar tão cedo ao patamar que estavam antes da pandemia”, destaca.

Segundo Müller, essa alta dos custos de produção terá que ser repassada ao consumidor. “Assim como a maioria dos outros alimentos, que também passam por essa pressão, enquanto as matérias-primas seguirem em alta vamos que subir preços”, lamenta.

O presidente da Asgav afirma que a entidade está conversando com autoridades governamentais para buscar um programa que garanta o abastecimento de milho para as empresas de aves e ovos. “Se não houver algum tipo de subsídio para as agroindústrias, várias vão fechar e quem restar vai ter que aumentar o preço, afetando a população.”

Panorama do setor de ovos no RS
Produção anual: 3,5 bilhões de unidades
Consumo médio: 257 unidades por ano, acima das médias brasileira (230) e mundial
Produtores comerciais: cerca de 250. Os 30 associados da Asgav são responsáveis por 90% da produção gaúcha.
Fonte: Asgav

Setor comemora Dia do Ovo nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (9) é celebrado o Dia do Ovo. Comemorada sempre na segunda sexta-feira do mês de outubro, a data foi instituída pela Comissão Internacional do Ovo (IEC, na sigla em inglês) e Organização Mundial da Indústria e Produção de Ovos (WEO), com sede em Londres, na Inglaterra. A entidade congrega mais de 60 países ao redor do mundo.

A data foi criada para levar informação, esclarecer mitos e promover o consumo de ovos. As entidades parceiras realizam ações promocionais, palestras, distribuições de brindes e degustações. O objetivo é ampliar a conscientização sobre o potencial nutritivo do ovo.

“Buscamos evidenciar um alimento rico em nutrientes, vitaminas e de fácil acesso para população, sendo base para muitas receitas”, destaca José Eduardo dos Santos, presidente da Associação Gaúcha da Avicultura (Asgav).

O maior interesse da população pelo alimento é confirmado pelas empresas do setor. “Antigamente havia uma visão negativa do ovo, por uma preocupação com colesterol. Isso já foi superado, hoje o ovo entrou no cardápio”, afirma João Carlos Müller, diretor da Naturovos. “É um produto que está sendo bem demandado, conseguimos sentir isso até pelo crescimento nas compras de embalagens maiores”, explica o executivo.

Durante esta semana, a Asgav e o programa Ovos RS realizaram eventos como apresentações em canais do Youtube, competição musical, entrega de brindes e a doação de 5 mil ovos para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e o projeto social Seleção do Bem 8, do jogador de futebol Dunga.

Já nesta sexta-feira o Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF), da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), realiza o webinar "Propriedades e qualidades do ovo", a partir das 10h, com apresentações do pesquisador João Henn, da Embrapa Suínos e Aves, e de Caio Mortari, diretor de operações do Grupo Mantiqueira. As inscrições para o seminário online são gratuitas e podem ser feitas pelo link www.even3.com.br/DiaDoOvo2020IPVDF.

Fonte: Jornal do Comércio
Créditos da Imagem: Banco de Imagens ASGAV 

Voltar